Roteiros
935 views 0 comments

Casa-Museu 18 de Janeiro de 1934

by on 28 de Outubro de 2013
 
Casa-Museu 18 de Janeiro de 1934

A Casa-Museu 18 de Janeiro de 1934, inaugurada a 18 de Janeiro de 2008, situa-se no Largo 18 de Janeiro de 1934, no lugar de Casal Galego, Marinha Grande.

…uma casa que já não é uma casa…
Humilde nas formas, nas dimensões e na matéria com que é feita, esta casa, que já não é uma casa, fez-se memória das dolorosas lutas operárias por um futuro mais livre e justo, ultrapassando a dimensão material da sua simplicidade para se transformar um símbolo de luta e coragem dos homens.

Estava-se no início de 1934. Com o mudar do ano, entra em vigor o Estatuto Nacional do Trabalho, fascista, e os sindicatos livres eram oficialmente proibidos, dando origem a outros, subjugados ao poder corporativo. Por todo o País, os trabalhadores combatem a fascização dos sindicatos e convocam para 18 de Janeiro uma greve geral revolucionária, com o objectivo de derrubar o governo de Salazar. A insurreição falha, mas na Marinha Grande os operários vidreiros tomam o poder. Apenas por algumas horas, é certo, pois a repressão esmagaria a revolta. No resto do País, esperavam-se acções iguais, mas em nenhum outro lado se repetiu o gesto dos operários marinhenses. Apesar de fracassada, a revolta dos trabalhadores vidreiros fica na história como um momento alto da resistência ao fascismo. E deixou sementes, que germinaram numa manhã de Abril, precisamente quatro décadas depois.

Contrariamente ao que sucedeu nas restantes localidades no dia 18 de Janeiro de 1934, na Marinha Grande os objectivos da greve geral revolucionária foram cumpridos: os operários tomaram o poder. Cercada a vila e cortados os acessos, os trabalhadores marinhenses ocuparam os Correios e o posto da GNR.

Derrotado o levantamento popular, começaram as perseguições e as capturas aos dirigentes sindicais, na sua maioria comunistas. Na noite de 18 e nos dias seguintes, varreram toda a região, casa a casa. Nem o Pinhal de Leiria ficou por varrer.

Justificação

O prédio em causa chegou à posse do município por doação de JOAQUIM ALVES DA CRUZ, LIMITADA, realizada por escritura de 15 de Novembro de 2002.

Em Julho de 2004, verificado o avançado estado de degradação, procedeu-se a uma limpeza geral da envolvente do imóvel e remoção de elementos derrubados que poderiam ameaçar a segurança pública e dos prédios confinantes.

Reconhecida a importância histórica desta habitação nos movimentos revolucionários do operariado no início do século XX e a necessidade de preservação da memória colectiva da participação dos marinhenses na sublevação de 18 de Janeiro de 1934, o Vereador do pelouro, em 17-08-2004, emitiu despacho no sentido de se elaborar estudo de preservação do imóvel e do seu contexto histórico.

Em 2007, procedeu-se à formulação de uma solução arquitectónica que recrie a volumetria do imóvel, assegurando a preservação do seu interior para espaço expositivo sobre os acontecimentos que aqui tiveram o seu início, criando um MEMORIAL e um repositório documental sobre o movimento do 18 de Janeiro e às pessoas que participaram na revolução e que posteriormente vieram a ser perseguidas e encarceradas.

Caracterização

A construção existente, ruínas de uma modesta habitação operária do início do século XX, tem cerca de 100m² de implantação e encontra-se encravada entre duas construções a nascente e poente. A construção a nascente é contemporânea e apresenta as mesmas características construtivas e arquitectónicas. A poente, encosta-se uma construção mais recente, com traços algo incaracterísticos mas identificativos dos anos 60/70 do século passado.

A técnica construtiva original assentava em paredes resistentes de sorraipa, sem pórticos estruturais, simplesmente rebocada com argamassa de cal e caiada na cor vermelha no exterior e branca pelo interior.

A situação de abandono após a saída dos últimos moradores, associada à falta de manutenção que estas construções exigem, provocou uma situação de ruína total do imóvel, verificando-se um colapso parcial da cobertura, paredes interiores e parte dos planos da fachada Norte. Todos os elementos de carpintaria estão de tal modo degradados que não será possível qualquer recuperação.

Fontes de Consulta:

>> Câmara Municipal da Marinha Grande

Outras áreas de Roteiros
 
Rotas