Roteiros
1114 views 0 comments

Matas Nacionais e perímetros florestais do litoral

by on 11 de Dezembro de 2013
 

matas nacionais e perímetros florestais do litoral

A floresta do litoral

A arborização e fixação das areias do litoral, constituiu uma das obras mais notáveis da engenharia florestal, protegendo casas e terrenos agrícolas de areias e ventos salgados e contribuindo de modo essencial para a valorização de importantes áreas litorais, anteriormente areais desertos e improdutivos.

Estes trabalhos começaram nos tempos de D. Sancho I e de D. Dinis, conhecendo grande importância quando, em 1805, José Bonifácio de Andrada e Silva iniciou na costa de Lavos a sementeira dos areais do litoral português. A Administração Geral das Matas do Reino teve um papel relevante neste domínio entre 1824-1881. O organismo que lhe sucedeu, os Serviços Florestais, acabou por executar vários trabalhos afins, tendo estes terminado em meados do século.

Assim, entre os séculos XIX e XX, cerca de 37.000 hectares de dunas estéreis foram fixados pela arborização, predominantemente com pinheiro bravo.

Os difíceis trabalhos de fixação e consolidação da duna primária do litoral consistiam primeiramente na instalação de ripado paralelo à linha de costa, até à formação de uma duna com 4 a 5 metros de altura. De seguida procedia-se à sementeira de variadas sementes, desde a de pinheiro bravo às de plantas próprias das areias, principalmente estorno, mas também tojo, giesta, camarinheira e sargaço.

matas_nacionais_litoral_01

Para fazer alguma cobertura e protecção às jovens plantas e enriquecer os solos tão pobres, cobriam-se as mesmas com rapão (manta morta em decomposição), ramas e folhagem diversa.

matas_nacionais_litoral_02

Citando Arala Pinto no seu livro “O Pinhal do Rei”, datado de 1939 «Esses pinheiros, pioneiros do litoral, formando os batalhões, são a guarda avançada, os sacrificados, a bem dos seus irmãos já distantes do mar. A sua missão consiste na segurança das areias e poderão vir a dar lenhas, resinas, peças para carroçaria mas nunca se deverão abater senão em pequenas parcelas, (…), como os que se praticaram no Pinhal de Leiria, com bons resultados, (…).
Garantindo o não assoreamento dos campos de cultura, da foz dos rios, das lagoas, das habitações, dos caminhos e estradas, já o Estado se deve dar por compensado com a missão que se impôs do revestimento dos areais da costa portuguesa (…).
Os que vierem de futuro, e muitos dos presentes, bendirão o serviço hoje feito, como nós hoje louvamos os semeadores do «Pínhal de EI-Rei».

Ainda actualmente, as grandes extensões de pinhal do litoral são geridas de forma sustentada pelo Estado Português, quer áreas estatais – Matas Nacionais, quer terrenos pertencentes a autarquias ou a compartes – Perímetros Florestais. Compete à Direcção Regional de Agricultura da Beira Litoral a renovação das áreas cortadas, o acompanhamento e condução dos pinhais, a sua desramação e cortes de mato, os desbastes (regularização de densidades), todas as operações relacionadas com uma boa gestão, bem como o corte final dos povoamentos.

De referir a procura crescente destes espaços florestais por visitantes, para lazer e desporto, evidenciando a sua multifuncionalidade.

matas_nacionais_litoral_03

De Norte para Sul e com características semelhantes, são as seguintes as Matas Nacionais e os Perímetros Florestais situados no litoral:

  • Perímetro Florestal das Dunas de Ovar
  • Mata Nacional da Gafanha
  • Mata Nacional de Vagos
  • Perímetro Florestal das Dunas de Vagos
  • Perímetro Florestal das Dunas e Pinhais de Mira
  • Perímetro Florestal das Dunas de Cantanhede
  • Mata Nacional das Dunas de Quiaios
  • Mata Nacional do Prazo de Santa Marinha
  • Mata Nacional da Costa de Lavos
  • Mata Nacional da Leirosa
  • Mata Nacional do Urso
  • Mata Nacional do Pedrogão
  • Mata Nacional de Leiria

Desta listagem apenas a Mata Nacional do Prazo de Santa Marinha, apesar de se situar no litoral, tem características diferentes das outras, por se tratar duma serra e não de dunas do litoral.

Mata Nacional de Leiria

Do conjunto das Matas Nacionais e Perímetros Florestais do litoral português sobressai pela sua importância histórica e económica a Mata Nacional de Leiria, outrora denominada de Pinhal do Rei.

Esta mata situa-se no limite Sul duma grande faixa litoral de dunas arborizadas com pinheiro bravo que se estende para Norte até Ovar. Tem 11 023 ha, é propriedade do Estado Português e situa-se no concelho da Marinha Grande, a Sul do rio Lis.

matas_nacionais_litoral_04

A sua origem remonta provavelmente a tempos anteriores ao reinado de D. Dinis que, considerando-a como mata da Coroa, estabeleceu as primeiras regras com vista à sua administração.

Naquela época, ao que tudo indica, a espécie arbórea predominante nesta mata seria o pinheiro manso, mas foi durante o reinado deste monarca que nela se fizeram grandes sementeiras de pinheiro bravo. A semente utilizada para tal, segundo alguns historiadores, terá sido trazida das Landes francesas. matas_nacionais_litoral_05

Na Mata Nacional de Leiria é possível referir três acidentes naturais:

  • uma primeira duna, de protecção, situada junto ao mar, ao longo da costa e fabricada artificialmente no princípio do nosso século;
  • um conjunto de dunas orientadas no sentido Norte-Sul, localizadas na zona central da mata, que atingem a cota máxima de 120m;
  • o Ribeiro de Moel, linha de água que atravessa a Mata no sentido nascente/poente e que desagua no Oceano Atlântico. matas_nacionais_litoral_06

A espécie predominante é o pinheiro bravo existindo também alguns núcleos de pinheiros mansos. A zona envolvente do Ribeiro de Moel está arborizada com acácias, eucaliptos, choupos, amieiros, carvalhos e salgueiros, grande parte dos quais instalados artificialmente.

Actualmente, a Mata Nacional de Leiria, para além da sua importante função ambientam, assume-se como uma mata de produção de madeira de grande qualidade.

matas_nacionais_litoral_07

As árvores produtoras desta madeira são cortadas com cerca de 80 anos. Ao longo deste período, através de desbastes, é feita uma selecção sendo cortados e retirados do povoamento os exemplares de piores características. Os melhores pinheiros permanecem até ao corte final, pois produzem a maior quantidade de madeira de qualidade, sendo também desses que provêm as sementes que darão origem aos novos povoamentos, que assim vão tendo as suas características melhoradas ao longo das gerações. matas_nacionais_litoral_08

Postes, rolaria e outro material lenhoso de pequenas dimensões são os produtos que a mata fornece em desbastes. A resina constitui um produto secundário sendo explorado apenas nos três últimos anos antes das árvores serem abatidas, de modo a não deteriorar a qualidade da madeira.

Há mais de um século que a exploração desta mata está sujeita a planos de ordenamento. Todos os cortes estão programados de modo a que a mata se renove sem que seja alterada a sua capacidade produtiva. Todas as áreas cortadas são de novo arborizadas, sendo a mata gerida de forma sustentada e multifuncional. matas_nacionais_litoral_09

A Mata tem também um papel muito importante na protecção das dunas do litoral e no abrigo contra os ventos marítimos e o sal por eles transportado. Todo o coberto vegetal existente na faixa mais próxima do mar tem o efeito duma barreira protectora, imprescindível para que possa haver um bom desenvolvimento dos pinhais e culturas situados para o interior.

matas_nacionais_litoral_10

Para além da sua importância económica, confirmada pelo volume das receitas anuais geradas, proveniente fundamentalmente da venda de árvores, a Mata Nacional de Leiria tem também uma função social para as populações que habitam na sua periferia, pelos produtos que dela extraem (lenhas, pinhas, mato, carumas) e pelos postos de trabalho que faculta. A caça tem sido outro recurso proporcionado pela existência da Mata, onde tem sido possível caçar as espécies cinegéticas que ocorrem com mais frequência na zona, destacando-se a rola, pombo, tordo, coelho, raposa e perdiz. matas_nacionais_litoral_11

Durante todo o ano mas em especial na Primavera-Verão, a Mata é também um espaço de lazer e de ocupação de tempos livres, com zonas próprias para piqueniques e passeios a pé e de bicicleta. O Ribeiro de Moel, o Tromelgo e a Formosa são os locais mais procurados para estas actividades. matas_nacionais_litoral_12

Na Mata existem ainda três parques de campismo que no verão acolhem muitos dos turistas que visitam a região.

matas_nacionais_litoral_13

matas_nacionais_litoral_14

Carta da mata desenhado por Luis Filipe em 1940

 matas_nacionais_litoral_15

Carta da mata em 2000 com as zonas de produção elaborada por Suzana Gomes

FONTE: Ministério da Agricultura

Outras áreas de Roteiros