Roteiros
910 views 0 comments

História do Museu do Vidro

by on 29 de Outubro de 2013
 

O Museu do Vidro é um projecto antigo e uma ambição da Marinha Grande. Constitui simultaneamente um objectivo em matéria de afirmação identitária desta população e uma infra-estrutura cultural, em torno da qual se geram expectativas e se desenham potencialidades.

Portugal é, actualmente, um dos poucos países da Europa que não possui um Museu público do Vidro. No entanto, esse desejo era já acalentado em finais do Séc. XIX, e um jornal local faz-lhe referência em 1883, quando uma Sociedade Philomática defendia a criação de um museu escolar do vidro.

Muito mais tarde, o Decreto-Lei 39840, de 4 de Outubro de 1954, que extingue a Nacional Fábrica de Vidros e cria a Fábrica Escola Irmãos Stephens, cria igualmente, no seu contexto, um Museu (alínea b) do art. 51): <<Um museu para exposição e conservação não só das espécies suficientemente representativas da indústria vidreira nacional nos aspectos técnico e artístico, como ainda de objectos de vidro produzidos no País em diferentes épocas, de modo a patentear a evolução deste importante sector da indústria nacional>>.

Nesse sentido, ao longo dos anos a Fábrica Stephens foi reunindo uma colecção de vidros e utensílios, a que se junta, no seu último período, uma colecção de vidros artísticos resultantes de projectos únicos.

Por seu lado, o Estado também nunca interveio de forma a dar consecução ao projecto do Museu, apesar de, por várias formas, ter reconheci do o seu grande interesse.

O encerramento da referida fábrica em 1994, com consequente separação definitiva da zona de produção da zona da antiga fábrica pombalina, permitiu a constituição de um protocolo entre o Estado e a Câmara Municipal, no qual se inclui a criação do Museu do Vidro.

O Museu foi assim (re)fundado em 10 de Outubro de 1997, por decisão unânime da Assembleia Municipal da Marinha Grande. No novo contexto, e apesar da inspiração possível nos projectos anteriores, praticamente tudo teve de ser reequacionado. O texto de fundação traça, em linhas gerais, as grandes orientações o Museu e a sua organização.

Berço da indústria do vidro e antigo centro nevrálgico desta comunidade, o local onde agora se implanta o Museu é, por natureza histórica, um sítio, no sentido etno-antropológico do termo. Para ele confluem feixes de significações que constituem, em última análise, a estrutura histórico-identitária da comunidade vidreira marinhense. Ultrapassa ainda os limites geográficos da comunidade, dado que durante mais de dois séculos a fábrica marcou profundamente a indústria do vidro em Portugal, quer pela sua produção, quer pela mobilidade de operários entre fábricas situadas em diferentes pontos do território. lança ainda fios internacionais, sobretudo, na Europa, pois não só os seus fundadores eram estrangeiros (J. Beare era irlandês e G. Stephens, inglês), como também vários operários eram oriundos de países europeus, nomeadamente, ingleses, italianos e boémios. Esse “cosmopolitismo” é ainda hoje patente nas representações identitárias marinhenses, esboçando-se frequentemente uma ondulação das representações territoriais que ultrapassa a esfera local e nacional.

O Museu será implantado, nesta primeira fase, no Palácio Stephens, antiga residência fundada por Guilherme Stephens, industrial inglês que em 1769 consegue, através de Alvará Régio, o restabelecimento da Real Fábrica de Vidros, título de privilégio que, em 1748, John Beare não logrou ter para sua fábrica, provavelmente no mesmo local, que perdera com o turbulento encerramento da fábrica de Coina pouco tempo antes.

Para o efeito, decorrem desde Setembro de 1996 trabalhos de recuperação e adaptação do imóvel, classificado de interesse público pelo Decreto 47508 de 24 de Janeiro de 1967. O projecto de recuperação teve o aval positivo do IPPAR e o restauro de certos elementos, azulejos e cantarias, tem tido o seu acompanhamento e supervisão.

Por outro lado, a concepção, organização e instalação do Museu têm implicado um conjunto de estudos prévios, os quais conduziram à elaboração de um programa museológico. Este programa procurou levar em linha de conta os projectos anteriores mais credíveis e adequar-se, tanto quanto possível, às intenções expressas peta Câmara Municipal. Igualmente, ao longo do processo de instalação e elaboração do programa, procurou-se auscultar o maior número de cidadãos marinhenses ligados ao vidro, e adequar o Museu à comunidade local, com que terá de contar no futuro, não só em termos de público, como no que respeita ao enriquecimento da colecção e à realização de exposições e outras actividades.

O Museu em constituição apresenta claramente uma vocação nacional, e pretende ser uma referência nesse âmbito. Com um forte pendor investigativo e educativo, dentro do seu tema maior, prosseguirá as suas actividades em torno de eixos temáticos, que vão desde a história dos processos de produção até às artes plásticas.

Por último, refira-se que, apesar do enorme entusiasmo que existe sobre este projecto, não seda lícito esconder as dificuldades que se podem deparar, designadamente financeiras, pelo que se conta futuramente com o forte empenho das instituições, das empresas e dos cidadãos em geral.

Orlando de Carvalho

Outras áreas de Roteiros
 
Rotas