Palavras
1441 views 0 comments

Sociedade de Instrução e Recreio 1 de Maio

by on 21 de Novembro de 2013
 

SIRPicassinosSociedade de Instrução e Recreio 1 de Maio

Esta colectividade, fundada em 1 de Maio de 1921, no lugar de Picassinos, é a mais antiga da Marinha Grande.

Foram seus fundadores Augusto Gomes, Manuel Gomes, Manuel Francisco Agostinho, João Moiteiro, António Rodrigues Oliveira e José da Silva Roque. Tinham por fim formar uma colectividade para o desenvolvimento, no lugar, da instrução e recreio.
José Roque era um homem de rara sensibilidade artística, que foi no seu tempo o melhor oficial cristaleiro da fábrica Marquês de Pombal, onde executou a maioria das peças de cristal enviadas à Exposição Internacional do Rio de Janeiro, que se realizou nos primeiros anos da década de 1920. Diz-se que também foi o mestre José Roque o primeiro vidreiro a executar a difícil peça conhecida por “garrafa de seis vinhos”. Grande entusiasta da música, pertencente à banda da Fábrica Marquês de Pombal, via no associativismo o modo prático da transmissão dos seus conhecimentos. Empenhou-se inicialmente na criação de uma escola de música, onde ele próprio ensinava. Desenvolveu a cultura através de convívios e festejos e fez grande campanha junto dos amigos das vantagens de saber ler e escrever.

0 clube teve a sua primeira sede social em casa alugada ao senhor Francisco Agostinho. Em 29 de Agosto de 1932 foi construído um barracão anexo para espectáculos. Só em 1940 a sociedade começou a encarar a remodelação da sede. Construiu uma parte nova, acrescentada em 1965. Em 1972 foram compradas a velha casa e terrenos anexos e em 1976 iniciaram-se as obras do actual. pavilhão desportivo – o qual, devido a um erro informativo, segundo nos garantem, ficou com medidas ligeiramente inferiores às exigidas, o que não permite hoje aí a disputa oficial de algumas modalidades desportivas. As instalações da Sociedade, salvo o pavilhão, estão um pouco degradadas, pensando a Direcção actual. proceder à sua remodelação e beneficiação, para o que tem já elaborado um anteprojecto.

No campo cultural, logo nos primeiros tempos a SIR criou uma escola de música, dinamizada e dirigida por José da Silva Roque. É de lamentar que tenha acabado esta escola, que poderia ser hoje um viveiro de músicos. Desenvolveu também o teatro e o folclore. Fundou uma pequena biblioteca.

Em 26 de Maio de 1956 fez inaugurar um cinema dentro da sede, inicialmente com uma pequena máquina, que em 30 de Janeiro de 1966 foi substituída por uma moderna, com capacidade para a passagem de qualquer filme.

No campo desportivo, além dos tradicionais jogos de salão como ténis de mesa e bilhar, o Clube praticou futebol de salão, andebol (foi campeão distrital), voleibol (masculino e feminino). Praticaram-se também lutas amadoras, ginástica infantil e feminina, atletismo, damas, badmington e pesca.

Teve também um núcleo de xadrez, dirigido por José Martins Saraiva, do qual faziam também parte os jogadores picassinenses de grande valor António José Rodrigues Ruivo e José Renato Ruivo Martins Saraiva. Foi neste desporto que a SIR 1º de Maio mais repercussão teve a nível nacional, pois levou o nome de Picassinos e da Marinha Grande a vários pontos do País, através da sua equipa, que foi campeã distrital durante seis anos consecutivos (1976 a 83) e disputou os campeonatos nacionais, onde obteve as seguintes classificações: décimo lugar em 1977, em Albufeira, décimo terceiro lugar em 1978, em Ílhavo, 11º lugar em 1979, em Soure, quinto lugar em 1980, na Amadora, nono lugar em 1982, em Algés. Disputou também a Taça de Portugal, tendo chegado aos oitavos de final em 1979 e aos quartos de final em 1980 (note-se que a Taça foi disputada por 180 equipas). Este núcleo de xadrez dissolveu-se em 1983, por desacordos com a Direcção da colectividade.
A colectividade possui 1 234 sócios, que pagam as cotas mensais de 20 escudos (sócios ordinários), 15 escudos (senhoras) e 10 escudos (crianças e reformados).

As cores usadas nos equipamentos desportivos são: camisola branca com riscas horizontais verdes e calção branco.

Os Corpos, Gerentes são nesta data compostos pelos sócios António de Sousa Moiteiro (presidente da Direcção), Artur Silvério de Sousa (vice-presidente), Maria João Gomes (primeira secretária); Vergílio Lopes Mendes (segundo secretário), João dos Santos (tesoureiro), Ilsa Nunes da Silva, Arnaldo Ortigoso Pires, Acácio José Alves Guerra Mendes, Fernando Silvério de Sousa, Vergílio Domingues Custódio, Arnaldo Barosa Magalhães e José Francisco Maria (vogais), António Jorge Oliveira Aires Rodrigues (presidente da Assembleia Geral), Amílcar da Conceição Filipe e Jacinto Pereira (secretários). (*)

(*) – Texto datado pelo Autor (Abril de 1985).

 

condensado de: Cidade de Marinha Grande – Subsídios para a sua História
autoria de: João Rosa Azambuja
edição de Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Marinha Grande
edição integrada nas Comemorações dos 250 anos da Indústria do Vidro
data de edição – Dezembro de 1998

Outras áreas de Palavras