Palavras
922 views 0 comments

Norberto José Guerra Barroca

by on 14 de Dezembro de 2013
 

Norberto_Barroca2Norberto Barroca (Norberto José Guerra Barroca) (n. Marinha Grande, Leiria, a 5 de Novembro de 1937) é um encenador português.

Arquitecto de formação (Faculdade de Belas Artes de Lisboa), desde cedo enveredou pelo Teatro.

Estreou-se profissionalmente em 1960, com o Grupo Fernando Pessoa, dizendo poesia em Portugal, no Brasil, em Angola e em Moçambique. Enquanto encenador estreou-se na Casa da Comédia em 1967, com a peça Noites Brancas de Dostoiévski.

Recebeu o Prémio de Imprensa em 1969 pela encenação de “Fando e Lis” de Arrabal. Nesse mesmo ano, terminou o curso de Arquitectura e ganhou uma bolsa da Gulbenkian, para estudar teatro em Londres. Ao mesmo tempo, teve um convite para trabalhar em Moçambique como arquitecto.

Fez o primeiro espectáculo em colónias portuguesas, com tema africano, escrito por um moçambicano e interpretado por actores africanos, na qual participou o pintor Malangatana. Dois anos depois, voltou a Portugal.

Trabalhou no Grupo A Centelha, Casa da Comédia, Teatro Aberto, Teatro Estúdio de Lisboa, Emp. Vasco Morgado, Companhia Nacional de Teatro (Teatro São Luís, de que foi director), 1º Acto (Algés), Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Maria Matos, Casino Estoril, A Barraca, Teatro ABC e Teatro Maria Vitória3 , Seiva Trupe4 e Teatro Experimental do Porto5 , do qual foi Director Artístico de 1998 até Dezembro de 2009.

Na Marinha Grande, encenou diversos trabalhos para o Grupo de Teatro do Operário, foi autor de “A Soprar se vai ao longe!”8 e de uma adaptação musical de “O Fidalgo Aprendiz”. Para a Câmara Municipal escreveu a reconstituição da revolta do 18 de Janeiro de 1934 – “O 18 de Janeiro de 1934 na Marinha Grande – Movimento Revolucionário dos Vidreiros”, “Uma Obragem do Séc. XVIII” e a peça “Marquês de Pombal – o Rei” do Rei D. José.

Em 2010 foi homenageado pela Câmara Municipal da Marinha Grande, onde foi evocada “a reconhecida carreira do encenador” e reconhecido publicamente “o contributo do artista para a dignificação do teatro a nível local e nacional”.

No cinema teve participações como actor em filmes de Jorge Silva Melo e foi co-autor do argumento de Passagem por Lisboa, de Eduardo Geada (1994).

Fonte: wikipedia

Outras áreas de Palavras