Aberturas
930 views 0 comments

Sexo, mentiras e Pepsi

by on 1 de Dezembro de 2013
 

Post com conteúdo integral retirado do Blog: “ O Conto Do Vigário

Sexo, mentiras e Pepsi

Virgolina, uma virgem batida de meia-idade, sentou-se e pediu uma Coca-Cola. O empregado, alto e loiro, questionou com ar trocista:
– Coca-Cola não temos. Pode ser Pepsi?
– Pode  – respondeu Virgolina olhando para o relógio, como se esperasse alguém.
O empregado colocou sobre a mesa a lata de refrigerante, um copo com uma rodela de limão e uma palhinha.
Virgolina encheu o copo, ignorou a palhinha e bebeu o conteúdo de um trago. As borbulhas gás precipitaram-se no estômago vazio, fazendo-a estremecer. Foi invadida interiormente por uma náusea momentânea. Sentiu o refluxo gasoso subindo vertiginosamente e soltou um vibrante e sonoro arroto, que pareceu prolongar-se por infindáveis segundos. Todos os olhares de reprovação e censura das mesas circundantes fixaram-se nela e Virgolina sentiu necessidade de se explicar e de tomar uma posição firme:
– Nunca bebam Pepsi! Esta bebida é horrível e fez-me arrotar sem querer. Que porcaria… por favor passem esta mensagem, que ninguém beba Pepsi! É importante que todos se unam e nunca mais bebam Pepsi!
– Com licença?! – advertiu uma sexagenária que comia uma torrada a duas mesas de distância.
– Perdão minha senhora. Com licença – retorquiu Virgolina envergonhada mas com uma pequena sensação de gozo, a de ter desferido uma estocada fatal no refrigerante inconveniente, que agora iria sentir nas vendas o resultado da sua indignação. Ela tinha a certeza que o movimento iria crescer e tornar-se imparável. Prova disso era a manifestação espontânea de apoio que acabava de testemunhar ao ver as pessoas quase mecanicamente e em simultâneo a erguerem o punho cerrado enquanto gritavam em uníssono – Pepsi nunca mais! Pepsi nunca mais! Pepsi nunca mais!
Alguns segundos depois chegava Coelho, um tipo execrável que habitualmente abusava dela. Pegou-lhe no braço com brusquidão e arrastou-a para a casa de banho contra a sua vontade. Subiu-lhe a saia e arrancou-lhe as cuecas, empurrando-a contra a parede fria. Virgolina implorou, usando o argumento recorrente:
– Não! Não! Por favor não, que eu sou virgem!…
Coelho respondeu indiferente:
– Pois que seja, vou-te sodomizar outra vez. Como habitualmente…
Pouco depois de Coelho ter abandonado a casa de banho com ar indiferente, Virgolina saíu do pequeno cubículo envergonhada, procurando algum sinal de compaixão nos rostos que momentos antes tinham reprovado o seu comportamento mas que depois lhe tinham dado a sua solidariedade. Porém, nem um olhar de complacência. A nota dominante era uma espécie de torpor colectivo e um estranho esforço de indiferença. Todos figiam não reparar no sucedido.
Virgolina sentiu vontade de gritar, de pedir ajuda para denunciar o abusador, de desmascará-lo, de o castigar, mas conteve dentro de si toda a raiva e humilhação. Afinal arrotar inadvertidamente em público era bem mais desconcertante do que ser sodomizada em segredo por Coelho. Pelo menos continuava virgem.
Sentou-se novamente à mesa e pediu uma 7UP. Sete, o número de Cristiano Ronaldo, o melhor do mundo. A ideia reconfortou-a, mesmo sabendo que o refrigerante que pedira era extremamente rico em gás.
Publicada por Relaxoterapeuta à(s) Quinta-feira, Novembro 21, 2013

Fonte: Blog ” O Conto do Vigário ” Ler o original: aqui

OUTRAS ÁREAS DE ABERTURAS
 
Invasões